segunda-feira, 30 de junho de 2008

Melão...


Ontem provaste melão e, à semelhança da senhora meloa, adoraste!!! Eheheh.

Comidinhas novas

Este fds experimentaste o iogurte (simples com uma colher de açúcar) e o pêssego. Do pêssego gostaste. Do iogurte, não é que não gostes, mas dá ideia que também não adoras. Digamos que parece que passavas bem sem ele. Eles, pois vão começar a ser muitos, eheh. Ainda assim, comeste tudo. Linda menina.

Baptizado

Não tenho crenças… Ou melhor, religião. Acredito todavia em muitas coisas, Talvez me considere mesmo agnóstica. Às vezes tenho pena, mas não consigo ser hipócrita a esse ponto… A verdade é que gostava imenso de fazer uma festa pelo teu nascimento (já seria com seis meses de “atraso”), convidar todos os amigos e família. O baptizado seria o ideal! Mas não. Se o fizer é porque nos pediste e queres ser baptizada. Caso contrário, a primeira festa será a do teu primeiro aniversário, combinado?

Cotonete

Tão pequenina e já tens pequenos prazeres tão engraçados. Enquanto mamas, de vez em quando lembro-me de aproveitar para te limpar as orelhinhas (apenas por fora!) com uma cotonete. É que, depois do banho, com o limpar, secar e vestir, já ficas inquieta o suficiente, já não dá para muito mais. Assim, passo devagarinho pela tua orelha, para cima e para baixo, com alguma pressão. Paras de mamar, fechas os olhos (se ainda não o tiveres feito), respiras fundo. Ficas assim o tempo que eu me demorar pela tua orelhinha, em todos os cantinhos. Vê-se mesmo que te sabe bem. O máximo Gui.

Discriminação

Anteontem ocorreu-me: se tiveres um irmão ou irmã, vai ser quase impossível escrever-lhe como escrevo para ti… Já só o consigo fazer à noite, bem para o tarde, por isso… impossível. Já hoje os padrinhos diziam o mesmo quando andaram a ver o blogue. Vou discriminá-lo/a… Não gosto nada disso, mas a ver vamos. Talvez arranje um blogue, numa base mais, digamos, mensal…

Já falas… e ucraniano! :-)

O pai afirma que dizes papá na perfeição! Bem, a meu ver dizes tanto papá como tesoura, cafezinho e pechisbeque, eheheh. Na verdade o que dizes mesmo é avô. Contudo, não em português! Não! Em ucraniano!!! Que evoluída já a falar e uma língua estrangeira! De acordo com a nossa empregada, baba é o diminutivo de babuce (não faço ideia se é assim que se escreve…), avô em ucraniano. De facto baba dizes muito bem, papá é mais para quem tem alguma imaginação… eheh.

Noites de olho aberto…

Este fds foi para esquecer. Refiro-me às noites. Ainda tenho esperança que tenham sido apenas as noites de sexta e sábado e que, a de hoje, já seja tranquila… Além de teres acordado umas três vezes por noite, fizeste umas birras!!! Pior que isso, acordaste uma vez às 7h30 outra às 5h00 e, depois de mamares, já não dormiste senão daí a 3h (faz as contas!!!). Até lá berraste! Será do calor?

Muito Direitinha


Ontem o pai chamou-me para te ver: sentada, no colo dele, sem apoio, muito direitinha. Estás a ficar uma menina muito crescida! Tão depressa nãooooooo!!!

Chuchinha

Sexta-feira passada à hora da sesta adormeceste de chuchinha na boca, com as duas mãozinhas a agarrá-la, não fosse ela cair, enquanto se ouvia o teu chuchar. Tão querida…

Entretenimento

Quando não “estás com a mosca”, facilmente te entreténs com qualquer coisa. Nem precisa de ser um brinquedo ou um boneco. Por exemplo, tirar as meias que tens calçadas, não só é uma brincadeira giríssima, como tarefa para uns bons minutos. Depois, quando já a(s) tens na mão, servem para pôr na boca, atirar ao chão vezes sem conta para a mãe apanhar voltar a dar-te, enfim, uma autêntica diversão.

Menina das tranças pretas

No outro dia à noite, antes de dormir, lembrei-me desta música. Não só porque sempre gostei muito dela, mas porque me pus a pensar se o teu cabelo crescerá muito (como parece até agora) e se continuará escuro.

Quando fores mais velha e se gostares, a mãe faz-te umas trancinhas. Depois podes ser a menina da canção. Quem sabe um novo ícone desta moda? :-)

Como era linda com seu ar namoradeiro

Até lhe chamavam 'menina das tranças pretas',

Pelo Chiado passeava o dia inteiro,

Apregoando raminhos de violetas.

E as raparigas da alta roda que passavam

Ficavam tristes ao olhar o seu cabelo,

Quando ela olhava, com vergonha, disfarçavam

E pouco a pouco todas deixaram crescê-lo.

Passaram dias e as meninas do Chiado

Usavam tranças enfeitadas com violetas,

Todas gostavam do seu novo penteado,

E assim nasceu a moda das tranças pretas.

Da violeteira já ninguém hoje tem esperanças,

Deixou saudades, foi-se embora e à tardinha

Está o Chiado recheado de mil tranças

Mas tranças pretas ninguém tem como ela as tinha.

Língua de fora


Desde que descobriste que consegues estar de língua de fora (não foi há muitos dias atrás) que grande parte do dia, andas assim. Quando estás concentrada a brincar ou olhar para alguma coisa então é certinho em como a línguinha espreita também. Será que ficas com esta???

Mãos


Há já algum tempo – talvez já há uns dois meses – que adoras mãos. Não só as tuas, mas as nossas também. Divertes-te muito a olhar para as tuas mãos, que agarras uma na outra e chegas junto ao nariz. Enquanto as mexes, concentras-te muito e observas. Por vezes parece que tocas saxofone, outras vezes que bates palminhas, outras ainda que rezas (lol!). As nossas gostas, sobretudo, de lhes tocar, agarrar os dedos e, se tivermos aliança ou anéis, fixas-te neles.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Bababababab

É a tua nova lenga-lenga. Ficas super cómica a “falar” assim. Pelo meio saem uns pfff, hiii, brrrrr e, claro, ris-te vezes sem conta…

Quem sai aos seus “não é de Genebra”, parte III

Adoras meloa. Sim, eu sei que também digo que adoras sopa, papa, banana e pêra. Mas repara a-d-o-r-a-s meloa. Não só não se pode demorar mais de meio segundo a voltar a encher a colher, como te consolas verdadeiramente a comer meloa. Refilas entre as colheradas e saboreias até não restar nada na boca. Tal e qual o papá, que não passa sem uma meloazinha, sobretudo, quando o calor aperta.

Papá, mais um ponto! :-)

Já és fã da CHUCHA

Há três dias que adormeces a chuchar. Nota: não é com a chucha na boca, que isso já tu fazias algumas vezes. A chuchar mesmo. Enquanto choramingas ou refilas sonolentamente. Faças ou não birra, deixaste finalmente a chucha ser tua amiga. Vês? A mãe está farta de te dizer: aceita a chuchinha que ela é tua amiga, acalma-te e ajuda a fazer ó-ó mais depressa. E é mesmo assim. Com ou sem birra, acalmas com mais facilidade.

Contudo, és fã, não és fanática. A chuchinha é amiga mas, mal adormeces, deixa-la cair e não lhe ligas mais até à próxima chegada do João Pestana (o que, diga-se de passagem, é óptimo).

6 mesinhos - consulta

Já fizeste 6 mesinhos e, como tal, fomos ontem à consulta.

Altura: 65,5cm Percentil 50

Peso: 7.260kg Percentil 50

Perímetro cefálico: 42,5cm Percentil 50

Uma autêntica modelo, como diz a C. :-)

Palras o tempo todo, estás uma simpática sempre sorridente. Já sorris inclusive com mais facilidade para os “estranhos”. Não paras um segundo: a dar às pernas, aos braços, seja no nosso colo, no chão ou na cama. Com a excitação, quando estás no berço ou no “ovo” levantas o rabinho aos pulinhos. Os sons são cada vez mais variados e mais engraçados. Se te pusermos em pé ficas toda contente e aguentas-te já muito bem. Também adoras estar sentada, pois tens um ângulo de visão diferente e já o percebeste. Comes tudo com vontade, muito raramente fazes cara feia. Só não queres comer quando tens mais sono que fome. É altura de introduzir o iogurte, o resto, lá mais para os 8 meses. Depois conto-te como correu.

Resumindo, estás óptima. Para a mamã e para o papá, um verdadeiro espectáculo!

Não é defeito, é um feito!

Quando te ris ou sorris, fazes uma covinha na bochecha direita e apenas nessa. É demais. Eu cá acho que não é defeito. É mesmo um feito!

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Primeira saída à noite...

Com apenas 6 meses e 4 dias “saíste à noite” pela primeira vez. Bom, pelo menos, a minha primeira saída à noite propriamente dita, foi a um bar. Hoje, foste a um café, que à noite tem ar de autêntico bar, ali para as esplanadas de Telheiras. Foste com os pais e a madrinha. Estiveste sempre divertida. Vieste para casa às onze da noite!!! E esta hein?!

A última

Hoje percebeste que, não só podias deitar a língua de fora para travar a entrada da colher de sopa ou de papa ou de fruta na boca, como podias mantê-la assim: para fora. É de chorar a rir! Foi durante a papa (deves ter parado a língua a meio do processo de engolir a papa, embasbacada que estavas a olhar para os “animados”). A partir daí, foi o resto do dia à experiência. Língua de fora. Quando te imitávamos, rias-te pois claro!

Fds em Beja

Nos feriados aproveitámos e aceitámos o convite dos padrinhos. Tirando a primeira noite em que acordaste de três em três horas :-(, portaste-te muito bem, na viagem, durante o dia, a comer, a brincar. Gostaste muito. Cada vez que uma das mais pequenas passava por ti ou se metia ou brincava contigo, ficavas muito atenta ou/e em grande excitação.

Tiveste os mimos e as atenções da mamã, do papá, dos padrinhos e família, até da cadela P., tudo junto e durante três dias. Além disso, experimentaste a piscina (daquelas com nadadores salvadores de aquários) e, só não entraste lá para dentro tipo banheira, porque achámos que, não obstante o calor, a água estava demasiado gelada para ti. Seja como for, já adoraste também essa primeira vez. Obrigada a todos, nós os três vamos querer repetir! :-)

Adoras beijos sonoros

Podia ficar-me pelo título porque, de facto, é mesmo isso: aaaaadoooooooraaaaaaaaas beijos, sobretudo, sonoros e repenicados! É tão engraçado. Não conheço muitos bebés assim. Talvez nenhum mesmo…

Cada dia é um dia

Olhando para o dia de ontem e, comparando com o de hoje, parece que estive com duas Margaridas diferentes ao pé de mim. Uma zangada, com crise de mimo e cheia de lágrimas, outra sorrigivas, contente, e um mar de beijos babados! És tu e só tu, naquilo que te caracteriza de óptimo e menos bom. Só prova que cada dia é um dia, para ti, como para toda a gente.

Miminhos dos Padrinhos


Não é bom?...

Narizinho

Nova alcunha do pai: “narizinho”. Deve-se ao facto de teres um nariz lindo, pequenino, redondinho, empinadinho, uma fofura só. O pai não reparou só agora, mas só nos últimos tempos se lembrou de te chamar de “narizinhoooo”, sempre com um grande sorriso dele e arrancando um enorme sorriso teu.

Aliás, pensando bem, foi a primeira coisa que soubemos que irias ter: um narizinho arrebitado (num sentido físico, num bom sentido). Na 1.ª ecografia, a médica disse logo “(…) aqui depois do ossinho, vê-se pele, o que significa que tem um narizinho arrebitado!” E não é que tens mesmo? :-)

Sentar


No sofá aguentas-te lindamente entre almofadas ou, desde que encostada atrás, de pernas afastadas. No chão também já ficas bastante tempo, sem ajuda, até começares a escorregar para um dos lados, em virtude de quereres alcançar um boneco ou tocar em alguma coisa. Já não deve faltar muito para te sentares muito direitinha...

A força dos desenhos animados

Hoje, à hora da papa, decidiste comer duas colheradas e desatar num pranto. Até me baralhei, confesso. A fome parecia alguma… Não estive para te arreliar… nem a mim. Decidi ir para a sala e levar-te e à papa. Afinal, uma vez não são vezes.

Liguei o babytvchanel, comecei a dar-te a papa e, foi um instantinho! Só tinha de te “acordar” aqui e ali, quando te esquecias que estavas a comer.

Palminhasssss

Ontem o dia foi tão… digamos, agitado (!), que nem referi a novidade do dia: numa ocasião em que te juntei as mãos para cantarmos a Margarida bate palminhas!!!, pela primeiríssima vez, abriste as duas mãozinhas! Incrivelmente ainda percebeste o meu ar feliz de “é mesmo isso!” e ficaste toda contente.

Agora é só conseguirmos que o faças sem ajuda :-)

A sesta de hoje


Hoje adormeceste (à tarde) de chupeta na boca (qual “maggie simpson”), com tal afinco que até se ouvia “a borracha”, de barriga para cima, com um braço ao lado do corpo e a mão muito fechadinha e o outro levantado, a enrolares a mãozinha no cabelo, mesmo por cima da orelha. Um cenário que valeu o dia. Fiquei a olhar-te… nem sei quanto tempo, perdi a noção.

Até adormeceres entoaste a tua cantilena, sem nunca deixar a chupeta e, quando o choro aumentava, eu soprava ao de leve na direcção da tua testa e da palma das tuas mãos (mão, na verdade), pois estavas a transpirar. Nessa altura, lentamente diminuías o choro, devagarinho, até se deixar de ouvir, como que a dizer “isso sabe bem mamã”.

Quem sai aos seus não “é de Genebra”, parte II

Uma pessoa sente-se contente quando ouve “tem o sorriso da mãe” ou, “é a tua fotocópia!”, claro que sente, pois claro que sim. Agora, ires buscar aquelas coisas que não interessam a ninguém… Logo tinhas que transpirar das mãos (e pés) desta maneira??! Já tenho pena de ti e ainda não entraste para o infantário, onde vais dar as mãos aos meninos e meninas coleguinhas ou agarrar no bibe da frente… “Tadinha”… Tal e qual a mãezinha. Desculpas?

Biberão

Finalmente, depois da experiência do chá, parece que já gostas do biberão. Eh!!! Quando o tenho na mão e tiro a tampa para te dar água, abres a boca de imediato – fazes lembrar um passarinho – estendes os braços, dás às pernas e só descansas quando abocanhas a tetina.

Sinceramente, acho que já te deixas acalmar a beber do biberão e a chuchar na chupeta de vez em quando. A simples sucção já é suficiente para te acalmar minimamente.

Entretanto, sempre que mamas, seja maminha ou biberão, ficas com um ar muito querido: fechas as mãozinhas, encolhes os pés e concentras-te verdadeiramente.

Na maminha, fazes festinhas à mãe, por vezes esticas o bracinho para agarrar o meu cabelo ou a minha camisola, sorris quando olhas para mim e transpiras imenso da cabecinha. Fofa, querida, mimosa, um doce.

Preguiçosa

Dá ideia que és um pouco preguiçosa. Na verdade, penso que tens dias. Hoje, por exemplo, já meia contrariada por estares no tapete de actividades e não ao meu colo, cada vez que querias um dos 500 bonecos e este se apresentava mais longe de ti e, como ainda só consegues “arrastar-te” para trás e não para a frente, esticavas o braço. Não era suficiente para o alcançar? Então toca a choramingar logo! Não fazias nem mais um esforço.

Às vezes cedo e dou uma ajudinha mas, confesso, a maior parte das vezes deixo-te tentar ou incentivo-te a isso. Não podes desistir logo. Estes são os primeiros de muitos e muitos obstáculos que encontrarás na vida…

a SoPa Da PoCaHoNtAs

A Pocahontas comeu a sua primeira sopa no Domingo passado…E adivinhem? Até correu bem! Eu e o pai estávamos receosos, afinal ela não aceita nada senão a mama da mãe (nem biberão, nem chupeta, nada…). Será que vai gostar de sopa? Será que vai “aceitar” a colher? – pensei eu. A primeira e a segunda vezes comeu pouco (uns 70/80ml), mas pouco ou nada refilou. À terceira já comeu mais, mas o engraçado foi que refilava quando não tinha a colher com sopa!

Hoje então foi um show! Dava-lhe eu uma colherada e a avó M. outra! Sim, porque a menina chorava mal acabava de engolir o que tinha na colher! Correu mesmo bem e comeu praticamente tudo. Estamos bastante contentes. Esperemos que não seja só da sopa de cenoura, eheh. Pode ser que assim possamos ir ao cinema um dia destes à tarde. De todas as saídas e programas, do que tenho mesmo saudades é de ir ao cinema. A última vez foi em Setembro, já nem me lembro que filme vi...

Posted num outro blogue em 24042008

As primeiras verdadeiras gargalhadas

(…) Quando estávamos prestes a despedir-nos da nossa amiga de barriga C.T., ela “mete-se” com a Margarida e ela solta um gritinho daqueles que antecipa grande excitação e, voilá começa a rir imenso! Quais duas sagitarianas juntas (e do mesmo dia!!), que dupla!

A C.T. sempre a falar com ela e a rir e a gesticular e a abanar a cabeça e a nossa Margarida cheia de sorrisos, risos, gritinhos e gargalhadinhas! Foi de tal modo que, se a C.T. parava, a Margarida lembrava-a de que ainda ali estava, “metendo-se” com ela! Foi muito giro e muito emocionante – para nós pais derretidos.

A Margarida já tinha rido assim em casa, com cócegas, mas por alguns instantes, nunca tinha durado tanto tempo.

Obrigada amiga C.T.! Adorámos! E Obrigada pai B. por podermos sempre recordar com as tuas filmagens!

Grande beijo aos dois.

Posted num outro blogue em 28042008

Às vezes desejo que continuasse a ser sempre bebé, a minha bebé

O tempo voa! Se fechar os olhos ainda consigo ter a perfeita noção e sensação da Margarida a sair de dentro de mim. “Amazing”…

Até cerca do segundo mês de idade chorava imenso durante o dia (não obstante dormir lindamente à noite). “Oh Filipa, ela se calhar tem soninho. Já experimentaste deitá-la no quartinho dela, em vez de ser na espreguiçadeira? Assim com a persiana a meio?” – sugeriu alguém da velha guarda. Impressionante ao que a falta de experiência (e tacto…) nos leva.

Não era suposto criar ambientes falsos; convinha dormir durante o dia sujeita a barulhos e claridade – sim, andei a ler, do método estivill ao mário cordeiro e ao brazelton, toca a seguir tudo à risca.

Está bem está! A Margarida até não se incomoda com o barulho, mas para dormir não gosta cá de muita luz, ora essa! E tem todo o direito, pois então. Cada um é como cada qual e as teorias são para aplicar q.b. Resultado, passou a dormir muito mais tempo durante o dia e, claro, deixou de chorar. Desculpas a mãe filha???

Lição do segundo mesinho: abre os olhos mamã! Nós ainda não falamos, mas contamos tudo o que nos vai na alma!

Já vamos para os cinco meses…

Posted num outro blogue em 05052008


Comentário XXL a este post:

"Querida mãe

As mães dão início às nossas vidas.
Moldam a nossa existência.
Ensinam-nos o ponto simples.

Mas as boasmães -como tu-passado algum tempo, entregam-nos as agulhas e dizem :
-o mundo está à espera querida. Escolhe outras cores e faz a tua vida.Tece a tela da vida e pinta
o teu próprio quadro.
Sinto-me congratulada pelo testemunho, táctica que pessoas maravilhosas como voçês tentam desenvolver numa relação afectuosa e intensa de amor com a vossa filha -Pocahontas.
Parabens

umbejoxxl"

Moca de Leite

Demos-lhe este nome talvez com dois ou três dias de vida:" moca de leite", tal era o espectáculo que ficava a Margarida depois de mamar.

Só nunca pensámos que, com cinco meses, ainda assim fosse... De cabeça pcaída ara trás e boca aberta, completamente ferrada. Nem que seja por uns minutos apenas.

Posted num outro blogue em 20052008

terça-feira, 24 de junho de 2008

Um dia para esquecer 23062008

Hoje é, literalmente, o dia para esquecer. Não para ti filha, para mim.

Felizmente que tenho e sempre tive essa capacidade. Esqueço o que doeu, o que não interessa, o que me fez mal, o que não vale naa ou não vale a pena. No caso de hoje, esqueço com toda a certeza amanhã ou depois (tendo em conta que amanhã espero não ser um dia como o de hoje). Fez-me mal porque me deixou triste, doeu porque não sabia já o que fazer…

Choraste o dia inteiro. Inteiro. A questão é que, não choraste de dor, de fome, de frio ou calor. Mimo. Puro mimo. Fazias birras que contado, ninguém acredita. Mal te pousava no tapete, no sofá, na minha cama, no muda-fraldas, eu sei lá, mal te largava um segundo, desatavas num pranto.

Estive num estado de nervos que só visto … E depois, eram lágrimas à séria a rolar-te cara abaixo! O nariz cheio de ranho e os olhos vermelhos, a voz roca, enfim, birras como não fazes muitas – felizmente. Às vezes o colo lá te calavas, outras vezes, nem assim.

À tarde, pela hora da papa, parecias outra. Sentada ao colinho da mamã (!), nem se ouvia o habitual “ãhãh” à espera de cada colherada. Quando desviavas a cabeça, chamava por ti e até te rias, feliz da vida. Deu-me cá uns nervos! Ai agora ris-te – disse-te eu. Quando a papa acabou voltaste à carga. De qualquer das maneiras eu tinha desesperado de vez e decidido que já não ia ligar (impossível, mas faz de conta). Mudei-te a fralda e sentei-te na espreguiçadeira, na cozinha, enquanto arrumava a loiça. Era quase hora do pai chegar a casa.

Espantem-se (ou não), estiveste quietinha, sem choro, nos teus monólogos infindáveis, a tentar tirar as meias e a dar aos pés. Quando paraste de palrar, olhei para ti e nem queria acreditar…

“Oh mãe é que eu quero mesmo é ver aquela coisa ali por baixo…”

Boa boca 22062008

Acho que és “boa boca”, como se costuma dizer. Tirando duas semanitas em que embirraste com a sopa, tudo o que tens experimentado (à excepção do kiwi e do pêro que não ficaste muito fã), marcha tudo. :-)

Quando te sentamos no colo para comer, começamos a pôr-te o babete ou vês o prato de sopa/papa à frente, começas logo a entoar a cantilena de meia zangada meia “despacha-te mas é com isso e dá-me de comer”. Depois, é sempre a aviar, sem nunca te calares totalmente e sempre, sempre, sempre, a dar aos pés e às pernas. Tal é essa energia!

As tias favoritas 22062008


A discussão de quem é ou não a tia favorita nós deixamos para as tias. Tu, preferes todas, n’é? Na verdade, não podia ser de outra maneira. Nunca vi bebé linda mais mimada!!! Tens a grande e enorme vantagem de seres o primeiro bebé “do grupo”, ainda para mais, uma menina!!! Menina que se pode encher de fitas, vestidos, sapatinhos, óculos de sol super in (obrigada tia I.), boleros, conselhos e, claro está, muito muito colo e muitos muitos muitos beijos! Assim de repente tens, pelo menos, 6 tias favoritas e 1 madrinha. Todas babadas e loucas por ti.

Algumas, até disputam o primeiro lugar no teu coração J não é tias J e R?

Diz lá que não és uma sortuda!!!

Primeiro casamento 21062008


Hoje tivemos o casamento da Filipa (=B.) e do Miguel. Foi o “teu primeiro casamento”.

Indumentária: vestido rosa choc de pregas e laço à frente por baixo do peito e sabrinas prateadas com laçarote, super fashion!

Para a mamã foi um dia puxado… de muita emoção e lágrima ao canto do olho!!! Quanto a ti linda… bom, deu para termos mais certeza ainda de que tu queres é passeio e festa!

A cerimónia ajudou: para primeiro casamento, tivemos direito a 30 minutos dentro da Igreja, pois nem foi dada missa. Estiveste lindamente, ao colo do pai, a olhar para todo o lado, a mexer no relógio fluorescente da ti S., enfim, até palraste como se estivesses em casa, o que ainda deu para umas risotas nos bancos circundantes.

Ah, claro está…toda a gente de gabou. “Que boneca!”, “Que princesa que vocês aqui têm!”, “Que morenaça!” “Que bonequinha!”, “Que gira!”. E nós, enfim, a precisar de um alguidar para nos babarmos à vontade – passo a expressão.

Lá fora apresentamos-te a algumas pessoas, de notar, ao pai H. Notei que ficou um pouco emocionado, tal como eu.

Depois fomos para o copo de água. Levámos o carrinho. Ainda dormiste meia hora antes de entrarmos para a sala, na zona do jardim e longe da música. Quando acordaste, estreaste-te no primeiro boião de fruta (teve mesmo de ser, além de que te demos a sopa em casa e a papa em casa da tia-avó M). Para variar marchou o boião quase todo – e era grandinho,”para 6 meses”.

Passados às mesas, estiveste muito bem, divertida, bem disposta, ao colo da mãe, do pai, da tia S.

Quando achámos que, 6 meses depois já podíamos ter direito a umas horas de festa, aproveitámos o facto do casório ser em Lisboa e decidimos ir deixar-te em casa da avó M.

Tu dormiste até às 3h (mais ou menos) e nós dançámos até às 3h.

E assim foi: o primeiro casamento e o primeiro boião de fruta. Um grande beijo aos noivos.

O teu nome 20062008


Já reconheces o teu nome! Que giro! Se estás a comer ou a brincar e te chamarmos “fofinha”, bebé, mimocas, pocahontas, ou qualquer outra, em princípio ficas na tua. Mas se te chamarmos pelo nome, olhas para nós a rir!!!!!!!!! Nunca me passou pela cabeça que fosse acontecer tão cedo.

A nossa Índia 20062008

Com seis mesinhos estás de facto um espanto. A última: o pai põe dois dedos à frente da tua boca, bate devagarinho e então começas a “cantarolar” aaaaahhhhhh. O resultado da dupla é o famoso som “à Índio”. É qualquer coisa!!!

Seis meses de amor… de paixão 20062008

Hoje fazes seis meses. As páginas que antecedem este post, mais as páginas que compõem os teus diários desde o início da minha gravidez, nunca conseguirão exprimir o que verdadeiramente sinto. Posso reduzir e dizer: é amor completo, total e verdadeiro por ti; é paixão. Contudo, isso não revela tudo, é apenas o sentimento maior que dizem existir para descrever. Há muito mais. De bom e de preocupante. Poderia estar aqui horas, com toda a certeza que as palavras iriam ser muitas, que demoraria horas… Não o vou fazer. Quero só dizer-te três coisas: parabéns, amo-te, foste o melhor que nos aconteceu (estou certa que já o disse antes).

Papá! Papá! 19062008

O teu pai lembrou-se, de há umas semanas para cá, que lemos algures que os bebés da tua idade já apreendem tudo. Nomeadamente no campo dos sons. Até aqui tudo bem, é algo bem lembrado… A questão é que, sempre que pode, repete ao teu ouvido “Papá! Papá!”. Como diz o teu tio K., lolololol!

O pai em alta voz 19062008

De amanhã temos um ritual as duas: quando acordamos, ou melhor, quando já estamos as duas acordadas, telefonamos ao pai. Regra-geral estamos as duas deitadas na cama dos papás, para o telefonema. Assim, estás de barriga para baixo, na tua posição favorita e eu, ao teu lado, ponho em alta voz quando o pai atende o telemóvel. Começas por olhar para mim, depois para o telefone. Quando ele fala mais um bocadinho, é dar às pernas, aos braços e abrir a boca para os teus largos sorrisos até ele desligar. Reconhece-lo perfeitamente. Menina do papá!

Sestas e soninhos 19062008

Parece que, finalmente, alargaste os teus sonos de beleza. Dos paupérrimo 30´ para, pelo menos, 1horita. Agora a regra já é: 1 hora de sono seguido durante o dia. Como as regras têm excepções e, as excepções fazem as regras, ainda dormes meia hora de vez em quando, mas também, hora e meia ou duas horas. Bem bom, já dá uma sesta mais descansada e um bom soninho.

Negligência parental, eheh 18062008


Hoje acordaste com um arranhão… Um senhor arranhão. Penso que nunca tínhamos dado com um tão grande. Mesmo debaixo do nariz. O pior que tudo é que não fazemos a mais pequena ideia de como foi ele aí parar… Com o teor das notícias que se vão ouvindo hoje em dia, ainda nos acusam de negligência… Eheh.

Miminhos 18062008

Estás mesmo uma “mimocas”. E ainda bem… Ao nosso colo, abres os bracinhos e enrolas o nosso pescoço com eles, depois esfregas a carinha na nossa e abres a boca para uns “beijos” babados. Não há melhor… acredita.

Aniversário do pai 17062008


O papá fez anos hoje.

Como era dia de festa tirou férias para estar connosco. Foi também dia de vacinas, já que a mãe prefere sempre que as leves no colo do pai, que não se põe e chorar se tu choras… Assim, aproveitámos – também só faltam 3 dias para fazeres 6 meses.

Foi um dia de festa e cheio de motivos para sorrir e novidades tuas. Ora comprova:

- enquanto o pai te dava a sopa adormeceste ao colo dele, com a colher na boca. Ahahahah! Inédito! Só foi pena não ter conseguido fotografar a cena;

- viraste-te de barriga para cima: ou seja, já te viravas de barriga para baixo, agora consegues voltar a ficar de “papo para o ar”;

- à tarde, antes do banho e de irmos para o jantar de aniversário com a família, adormeceste a chuchar no dedo, mais concretamente, no polegar da mão esquerda. Será que vais seguir as pegadas da mãe… L

- ao jantar fartaste-te de fazer festinhas (das tuas, cheias de unhadas e arranhões) ao primo J.

Ainda não ajudaste o pai a soprar as velas mas, para o ano, tenho a certeza que não falhas J

O pai, além de mais velho (hihihi), celebrou o primeiro aniversário na qualidade de pai, mais babado e orgulhoso que nunca, por tudo isto e… bem, basta olhar para ti.

As crianças e os cachorros 16062008


É certo e sabido (pelo menos para quem já teve cachorrinhos) que estes fazem lembrar muito, em variadíssimas coisas, os bebés e vice-versa. Hoje foi um fartote… Estavas no tapete de actividades, de barriguinha para baixo a brincar com a bonecada toda, quando o pai me chama a correr e diz “vem vê-la!”. Estavas a morder a bola de borracha e, quando levantavas a cabeça, conseguias mantê-la na boca, sem deixar cair! Qual proeza!!! Ahahahahah.

Até que a voz me doa 16062008

Palras o dia todo! Todinho! Ora “brrrrrr”, ora “psssss”, “ababab”, ora cuspinho a sair, só paras a comer, a mamar e no banho. De resto, és como a Amália: é até que a voz te doa. Ah fadista!

Avó Margarida 15062008


Gostava, adorava, amava que tivesses podido conhecer a tua avó Margarida. Não só pelo papá, mas por ti. Não é por ela já cá não estar, a sério. É porque tenho a certeza absoluta (100%) de que a ias, pura e simplesmente, adorar.

E ela a ti, pois então!

Soluços 14062008

Desde que nasceste que ouvimos dizer “os soluços dos bebés incomodam-nos mais a nós que a eles”. Efectivamente, até à data assim parece ser. Contudo, o teu pai não aguenta. É tão engraçado. Desde a primeira vez que tiveste soluços – e olha que não estou a exagerar, podes confirmar mesmo com ele – que ele exclamou “coitadinha, agora está com soluços”. Passado um pouco “e os soluços que não passam!”.

Até hoje. Ainda há pouco tiveste soluços e oiço-o dizer “e pronto, tinham de vir os soluços!”. É que ele fica mesmo aborrecido!!! Tu, nem por isso…

Não perdes pitada! 14062008

Se estiveres ao nosso colo enquanto almoçamos ou jantamos, no nosso, ou de qualquer pessoa, não perdes pitada. Segues com os olhos tudo o que levamos à boca. Desde o prato até à boca, com a calma de rodar a cabeça e a precisão que te são tão características. Depois, na maior parte das vezes, abres a boca, como que a “aguar”. Ehehe. Demais.

Alcunhas (do pai) 13062008

Bandulhinho: Esta é das mais giras, na minha opinião. “Bandulho” é uma palavra que até considero feia, mas bandulhinho é demais! Deve-se ao facto de, depois de comeres a sopa, a papa, ou mesmo, depois de mamares, ficares com um ar muito alegre e contente. O pai então aponta para a tua barriguinha linda e redondinha e diz “já está de bandulhinho cheio a minha filhota, já?”.

Mimocas: estás cada vez mais mimada… :-) Ajuda muito a mamã ter ficado em casa contigo. Ainda estou e já vais fazer seis meses para a semana que vem. Sempre gostaste de miminhos, sobretudo, beijinhos, mas agora és uma verdadeira “mimocas”. Encostas a cabecinha no nosso ombro, demoras-te quando te damos beijinhos, deixas-nos apertar-te contra o nosso peito e escondes a carinha no meio de nós. Então quando acabas de acordar e te tiramos da cama… Não há-de o pai exclamar: “Ai a minha mimoquinhas!”

Alcunhas (da mãe) 13062008

Texuguinho: foi a avó que inventou e que me “pegou” (juro!) e deve-se ao facto, até aos 3 meses, 3 meses e meio, seres rechonchuda e cheia de preguinhas. Agora, com quatro meses, estás a ficar bem mais “esticadinha”, muito embora com pernas rechonchudas, barriguinha boa e belas bochechas redondas!

Bisnico: Não me perguntes o que é… Ouvi em algum lado e sai-me imensas vezes. Normalmente é seguido de muitos beijos e apertões J Deve-se ao facto de seres a bebé mais fofa que alguma vez conheci (e conhecerei, tenho a certeza!).

Cuspinhos: Alcunha pós 3 meses de idade. Deve-se à tua – enorme – habilidade de cuspir, ou melhor, fazer bolhinhas e soprar ao mesmo tempo, ficando cheia de cuspo na boca e arredores.

Queixinho: Que também poderia ser “coisa mais doce!”. Deve-se ao facto de, curiosa como és, levantares muito a cabeça a olhar para tudo e sobressair o teu queixinho, redondinho e pequenino. É qualquer coisa de fazer derreter o mais frio dos corações!

Franjinhas: alcunha pós 1.ª ida ao cabeleireiro. Normalmente usada após o banho, quando o cabelo já está seco e, ao invés de ficar para o lado como antigamente, agora cai para a frente e fica muito direitinho e certinho.

Coisa boa: Não leves a mal o “coisa”. É com todo o amor e paixão e carinho que tenho por ti. Mas és que é mesmo isso! Um bebé muito muito muito bom!!!! Uma coisa muito muito muito boa! Igualmente seguido, em regra, de muitos beijos e apertões J.

Gui e Pocahontas: estas duas requerem, cada uma, um post próprio.

Indescritível 12062008

Hoje, sem chorar, adormeceste ao meu colo à noite, de cabeça encostada ao meu braço e ao meu peito. Indescritível…

Cházinho 12062008

Na tentativa de fazermos o desmame (já não digo completo, mas pelo menos deixares de mamar cada vez que acordas a meio da noite), lembrámo-nos da ideia da Enf.ª XXL e também da C., de passar a tentar dar água ou chá.

Assim, ontem comprei um chá próprio para bebés, da nutribén (passo a publicidade). Hoje experimentei durante o dia – tendo em conta o calor abrasador que se faz sentir nos últimos três dias.

Pus-te o biberão na boca e…Bem! Foi melhor ainda do que com a água. Não só tem igualmente imensa piada, como é docinho (embora não muito, que eu provei antes, como sempre faço com tudo o que comes). Foi ver-te sugar, sugar, sugar e refilar quando achei que já chegava!

Mais um ponto para a mãe: também és “cháseira”.

Birras 12062008

Fazes umas birras para dormir… Nem sei como descrever. Na verdade, contado ninguém acredita. Sobretudo, quem te conhece minimamente e sabe que és tão bem disposta!

Parece que te transformas. Gritas tanto, que dá ideia que te estão a arrancar bocados. É simplesmente horrível. Até a avó M. (tinhas talvez um mês, mês e meio) me disse “de facto, se não assistisse as estas birras, não acreditava”.

É a única coisa que te leva a fazer birra – o sono. Desde que nasceste. Choras obviamente com fome, dor ou irritação, mas o que te tira do sério é teres sono, quereres dormir mas, pura e simplesmente, não dormires!

Ao início até me custava a perceber, sinceramente, porque é que não dormias se tinhas tanto sono. Agora já nos habituámos à ideia de ser o efeito “bola de neve”. Quanto mais sono tens, mais choras, mais enervada ficas, mais choras, menos te acalmas, menos dormes ou consegues dormir.

A questão gora é outra: disseram-nos sempre (amigos, família, pediatra) que, com o passar do tempo, deixavas de fazer isto. Lá para os quatro meses, já só farias umas birras destas de quando em vez.

Pois bem, fazes seis meses para a semana e, ao invés de ser a grande birra à noite, temos birra depois de almoço, ao lanche, ao jantar e à noite!!!!!!!!

Meu amor, dormir é bom, tu até gostas de dormir bem e muito, vê lá se começas a ter pena da mãe e do pai, xim??

Joguinhos 11062008

Como é possível que, com cinco meses e meio já saibas perfeitamente jogar ao “esconde-esconde”?! Ainda para mais, és tu quem, no colo do pai, olhas para mim e escondes a cabeça junto ao seu ombro durante uns segundos. Depois, levantas a carinha, olhas de lado e, quando me vês a olhar para ti, ris-te e voltas a esconder-te! Espertalhona! :-)

Voltas e mais voltas 11062008


Quando damos por ti estás na outra ponta do tapete de actividades ou com a cabeça para os pés do berço! É num instantinho!!!

Posições favoritas: adoras simplesmente estar de barriga para baixo. Como ainda não gatinhas, juntas as pernas e os pés, dás balanço para um dos lado e assim rodas e rodas até chegares onde queres. Também gostas muito de andar tipo lagartixa: levantas o rabiosque para cima, e empurras os joelhos, pelo que vai rastejando. Muito bom. Traduzindo: já estás um verdadeiro perigo!!!!!!!!!!!!!!!!

Banho 10062008

Num dia dito “normal” e passado só em casa, creio que aquilo que mais gostas é do banho. Sem ter obviamente em conta mamar. Quando me vês a “preparar a banheira” ficas logo numa animação completa! De facto, depois confirma-se sempre: adoras!!!!!!!

Bochechas 10062008

Depois do corte de cabelo estão ainda mais redondas e salientes! Fazes mesmo lembrar a Betatriz Costa, sobretudo com a franja a cobrir-te a testa.

Pegar nos objectos 09062008

Já pegas lindamente nas coisas: nos bonecos, no biberão, no comando da TV que tem imensos botões e tu adoras olhar e pegar nele, etc. Só não consegues, como é normal, segurar na tua mão, se for pesado.
Hoje inclusive,

demonstraste estar muito empenhada em agarrar o biberão com as tuas mãozinhas, enquanto o pai te tentava dar água. Não só porque está imenso calor – finalmente! – mas para ver se ainda há esperança da mãe poder ir ao cinema um dia destes à noite e tu ficares com a avó e beberes leitinho das mimosas, mas no biberão…

Bom, mas isto para dizer, que seguras já muito bem, para cinco mesinhos e meio. Linda menina!

Pastel 08062008

Nem sei se devia escrever isto, mas enfim. Estou apenas a tentar passar-te um retrato o mais completo da realidade, pelo que, tudo vale a pena ser alvo de relato!

Pastel é o nome que o teu pai dá ao teu cocó mole.

Hoje de manhã, estava eu deitada meia acordada meia a dormir, quando ouço exclamar no quarto ao lado: “Eh filha, grande pastel!!! Que bom, fizeste um belo pastel!” Tu ris-te, o pai ri-se e, claro, eu também!

Pronto, já disse…

Cantilena 08062008

Quando estás perdida de sono e já te passou a birra – ou por um acaso de sorte (a nossa) – a birra não chegou a vir, não adormeces mais depressa por isso. Ao invés, ficas no berço, de olhos fechados, com a cabeça de um lado para o outro que até cansa só de se olhar. Em regra, com as mãos na boca. Às vezes, se te incomodam os dentes, até aceitas a chupeta ou agarras com as tuas mãozinhas os nossos dedos, para com eles massajares as tuas gengivas e minorar o incómodo.

Hoje, lembrei-me de escrever, pois juntaste-lhe mais qualquer coisa: uma espécie de cantilena J. Já não é a primeira vez. Enquanto te balouças, de um lado para o outro, vais entoando um “ãhãh, ãhãh” continuo, só interrompido quando te lembras de choramingar ou soluçar mais um bocadinho.

Mais uma ajuda no teu combate ao sono…

Que bons soninhos 07062008

Talvez de há uma semana para cá, finalmente (J), deixaste de acordar entre as 4h30 e as 6h da manhã para mamar (ou melhor, acordar por acordar e aproveitar para chorar até que te dêem a mama!) e começaste a dormir cerca de 8horas. Traduzido para timings, mais ou menos das 23h30 às 7h30. Estamos muito felizes! Parece que não faz diferença. Já não acordamos a meio da noite. Sobretudo ao pai, custa-lhe muito, é um “corte” no sono.

É claro que um dia ou outro lá acordas às 3h da manhã!!!!! É para não ficarmos mal habituados, n’é?...

De ontem para hoje dormiste da meia-noite às 10h15 da manhã! Nem estávamos a acreditar… Ainda por cima, hoje é sábado. Obrigada amor bom! Que bons soninhos, o teu e o nosso!

Modelito…? 07062008

Uma vez que és tão gira, tão expressiva e tens uma cabeleira de fazer inveja a qualquer bebé (como tu só conheci o teu tio K.), eu e o pai decidimos inscrever-te em agências de modelos e figuração.

Já enviei as fotos por e-mail para algumas, com os teus e os nossos dados. Outras, iremos lá as duas pessoalmente inscrever-te (políticas diferentes).

Aqui fica um excerto da resposta de uma delas: “Olá F. e R. boa tarde, Confirmo a recepção das fotografias da Margarida e desde já agradeço. Tenho muito gosto em agenciá-la, apesar de ainda ser muito pequenina, acho-a muito expressiva”.

Acho que tens futuro como modelo! Pelo menos, modelito! :-)

Chupeta 07062008


Depois da sessão de mimo de ontem não pensei que pegasses na chupeta tão cedo. Mas parece que finalmente ouviste a mãe: “a chupeta é tua amiga”. Não a usas bem para aquilo que eu tinha em mente (acalmar, adormecer). Mas já vais gostando de a ter sempre por perto, agarra-la com firmeza e pões na boca com alguma facilidade. Direita, ao contrário, de lado, seja como for, serve sempre o teu propósito: morder e mordiscar, enquanto vão também massajando as gengivas.

Boa filha!

Sessão de mimo 06062008

Já tinhas comido a sopa, dormido um pouco depois. Estávamos na sala a brincar. Depois lembrei-me que tinha as tuas roupas para separar (já não te serve muita coisa). Então levei o tapete de actividades para o teu quarto, deitei-te nele e iniciei a minha tarefa. Não demorou cinco minutos, começaste a querer chorar. Então, deitei-me no chão ao teu lado e conversei contigo “Então o que é que se passa? Porque é que choras tontinha? A mãe está mesmo aqui, não vai a lado nenhum.” Fizeste um beicinho. Experimentei a chucha (que já vais gostando uma vez por outra). Começaste a chuchar de tal modo, que fazias lembrar a “Maggie”, dos “Simpsons”. Depois afastei-me para me levantar. Novo beicinho. Conclusão, cada vez que me afastava a minha cara um milímetro, agarravas a minha mão, punha-la junto à tua carinha, fazias festinha e beicinho. Estivemos nisto uns 10´ ou 15´. Uma verdadeira sessão de mimo com a mãe. E que bem que soube.

Sopa com carne 06062008

Hoje comeste sopa com carne (de vitela), pela primeira vez. A diferença não foi nenhuma, felizmente. Saboreaste como sempre o fazes. Definitivamente gostas de sopa e ainda bem! Faz muita falta e alimenta muito.

Podias ter começado por vitela, borrego ou carneiro. O pai quando foi ao talho trouxe vitela porque era a mais fresca. Vamos ver se gostarás também das outras carnes.

So far, so good!

Mãozinha fofa 05062008


Foi o pai que me chamou no outro dia par eu ver com atenção. É uma ternura a tua mãozinha esticada a tentar agarrar um boneco, o biberão, a nossa mão, ou mesmo a tentar uma festinha na nossa cara. Esticas o bracinho – se estiveres deitada de barriga para baixo, então é demais! – e depois com a mãozinha, abres e fechas repetidamente, como se fosse um “adeus”, a tentar alcançar. Que mãozinha mais fofa!

Tão doce 05062008

Hoje, encostaste a carinha à do pai e demoraste-te nela um pouco. É tão bom… A tua pele macia, o teu olhar doce, a percepção que temos de que já tens consciência desse miminho e gostas de o fazer.

Tamanha excitação! 04062008

Quando estás excitadíssima és um prato! Dás aos pés e aos braços com uma velocidade que, se me contassem, não acreditava! Pelo meio vais soltando uns gritinhos e, quando nos vês a observar-te nesta paródia, é só gengivas – como diria o pai! Ora porque nos vês, ora porque nos metemos contigo, ora porque olhas para a televisão e vês desenhos animados ou cores. Ultimamente, além desta ginástica toda, se te pegarmos e pusermos no nosso colo, esticas as pernas para ficar em pé e pulas, pulas, pulas! É demais! Uma agitação só!

Sorriso 04062008

Quando sorris, abres imenso a boca. Ou melhor, nem é bem quando sorris, é mais quando queres sorrir ou rir, quando estás contente e o queres mostrar, quando nos metemos contigo ou sorrimos para ti. É o máximo! Abres imenso a boca. De início até pensámos que querias “abocanhar” alguma coisa, para morder ou assim.

(Bem, na verdade de há umas 3 ou 4 semanas para cá, já queres de facto morder em tudo. Calculo que sejam os dentinhos a querer espreitar…)

Custa tanto… 03062008

Custa tanto ver-te chorar percebendo-se perfeitamente que queres mamar. Custa horrores, eu diria mesmo, acredita. Custa ao pai, à avó mas, claro está, custa muitíssimo a mim. Sobretudo agora que olhas para mim literalmente a “pedir”, olhas-me nos olhos, fazes beicinho, choras com imensas lágrimas e mimo.

Com a introdução da sopa, durante uma ou duas semanas andaste a chorar muito à hora de dormir depois de almoço, porque sentias falta da maminha. Até procuravas no berço, sobretudo quando era eu a adormecer-te.

Agora, nem sempre o fazes, mas lá há um dia ou outro em que choras muito: sentes falta para adormecer, para acalmar e pelo miminho. Parece que não, acabas já por mamar só de manhã e à noite (quando dormes a noite toda), no máximo, umas três vezes por dia. Até aos 3 meses, quase 4, mamavas sete vezes por dia. Tens toda a razão para ficares carente… e eu não aguento. Custa tanto ver-te assim bebé. É de partir o coração. Farto-me de chorar, como não poderia deixar de ser…

1.ª papa! 03062008

Hoje comeste a tua primeira papa. Papa da Nutribén, sem glúten (passo a publicidade).

Dei-te eu. Calculei que corresse bem, não obstante, estava curiosa: como gostas tanto de sopa, ainda se podia dar o caso de não apreciares tanto coisas doces.

Naaa….! De facto tens muitos a quem sair para gostar – e muito – de docinho…eheh. Correu muito bem. Comeste depressa, sempre a abrir a boquinha. Faz mesmo lembrar um passarinho, de biquinho aberto, quando comes assim com tanta vontade! Tão querida!!!!!

Cara de kiwi 02062008

Depois da “cara de banana mal esmagada pela mãe”, só mesmo a “cara de kiwi” para provar como sabes tão bem mostrar o teu desagrado. Só visto! Chorei a rir e, claro, não te demos mais que a segunda colher.

“Sorrigivas” 02062008

O pai, sempre que vê o teu enorme sorriso, de boca aberta ou com aquele ar de que vai sair uma enorme gargalhada e, no final de contas, é só satisfação mas não sai som algum, diz sempre a rir “é só gengivas filha!”.

Então, certo dia a mãe lembrou-se de mais uma alcunha e, por sinal, muito apropriada: sorrigivas! Ora bem, é que é mesmo isso! :-)

Dia da Criança 01062008

Hoje foi o teu primeiro dia da criança e o nosso primeiro enquanto pais. Não planeámos um dia em cheio, pois ainda és muito pequenina, mas fomos obviamente passear. Esteve um dia bonito e até calor.

Estivemos na feirado livro, pois fomos conhecer uma pessoa e a sua família. É a C.R., a responsável pela magia que é e há no teu quartinho. A filha dela é um amor e tem uns olhos e cabelos negros como os teus, embora seja mais velha.

A C.R. entrou numa nova aventura e ilustrou um livro infantil. Depois de uma enorme troca de e-mails, resolvemos que a apresentação do teatro sobre aquele livro na feira do livro, no dia da criança, era uma boa oportunidade para, finalmente, nos conhecermos.

Adorei finalmente conhecê-la. Tenho a certeza – como tive sempre desde o início do nosso contacto – que é especial e, sem dúvida, uma pessoa com um enorme coração.

Hoje pensei imenso em ti, na responsabilidade que é ter-te e o que é a tua vida, o teu bem-estar, a tua felicidade para nós. Não consegui igualmente deixar de pensar nas crianças que nada têm. Quando me lembro de coisas que te queria dar e (ainda) não posso, forço-me a lembrar também que és uma “menina de sorte”. Tens muito muito muito muito amor, carinho, dedicação e uns pais com muita força de vontade para lutar sempre por ti e por tudo o que for melhor e bom para ti. Materialmente tenho a certeza que nada te falta, felizmente. Na verdade, não acho que façamos mais que a nossa obrigação enquanto duas pessoas que te quiseram tanto.

E que pais sortudos nós somos!!!

Avôs Babados 30052008

O teu avô F. não mora em Lisboa. Mora em Madrid (lá perto), já faz uns anos e, por isso, não acompanha o teu dia-a-dia com facilidade. Vem visitar-nos de vez em quando. Definitivamente, vem mais desde que nasceste J

Assim, a mãe vai enviando e-mails com frequência com as tuas fotografias. Como a última vez que ele cá esteve foi nos anos, quando enviei agora o último e-mail, telefonou-me no dia seguinte e disse, num tom muito “inchado” e devagar: “está tão bonita a minha neta…É que está mesmo bonita”. Que estás linda e crescida diz sempre, mas desta vez foi ainda mais sentido!

Já o teu avô J., desde que nasceste que, não há vez que te veja que não exclame a rir “o que eu acho mesmo graça é o cabelinho dela!”.

Também te gaba muito. No outro dia fui ao Hospital Militar e estive com o subdirector. Em conversa disse-me “o Dr. gaba muito a menina e também a calma que o pai lhe transmite quando ela vai para o colo dele”. Sem dúvida! O colinho do papá é o melhor calmante para a Margaridinha! Vá, o segundo melhor, as maminhas da mãe estarão sempre no primeiro lugar do pódio…!

Fome, mimo ou brincadeira? 30052008

A última: a mamar, de repente, lanças a cabeça para trás, viras-te toda, esticas-te e pões-te a ver o que se passa atrás de ti. Depois olhas para mim e ris-te, voltas à maminha e, passado uns segundos, voltas à carga! Nem pareces ter fome nem precisar do mimo (que normalmente guardas mais para o final da noite, já com soninho), dá ideia que é mesmo só brincadeira! Acredita que não consigo achar tanta piada… :-)

Finalmente foste ao Baeta! 29052008

Nascente com um cabelo farto, sedoso, preto e lindo de morrer! Ainda por cima, totalmente na moda! Fashion, fashion, cheio de bicos e escadeado.

As teorias eram algumas… “Ainda vai cair”; “É capaz de já não cair”; “Cai sempre”, enfim, teorias várias e em constante mudança conforme ias crescendo. Se queres saber sempre acreditei que nunca iria cair.

Está mais castanho do que preto, embora ainda bastante escuro. O que não dava mesmo era a ir-te para os olhos, a entrar-te pela roupa “adentro” atrás, a atrapalhar o apertar dos bodies e vestidos.

Assim, depois de muito se ir adiando por este ou aquele motivo, foste finalmente ao baeta hoje.

Correu muito bem! Portaste-te melhor que muitos bebés que já vi, e mais velhos que tu.

Tinhas um “corte” fashion, mas agora estás igualmente na moda e, claro, linda!!! Fazes lembrar um pajem… Cabelinho redondinho. Há quem diga que lembras a Beatriz Costa e o padrinho, diz que pareces o Afonsinho! Não ligues! Acredita na mãe e no pai, diferente e ainda assim, tão bonita na mesma. A mim pareces uma autêntica bonequinha!

Pé na boca 28052008


Já pões os pés na boca desde talvez os 4 meses e meio, quase 5. Mas agora já consegues manter lá o pé. Vá-se lá saber porquê, preferes o esquerdo. E, depois de muita concentração, fazes do “dedão” chucha! E dura e dura…

O que mais gosto em ti 27052008

Depois de muito pensar e, obrigando-me a escolher só porque sim, acho que me decido pelo teu sorriso…

Os olhos são sem dúvida o espelho da nossa alma e, os teus, reflectem-na por completo quase desde o 1.º dia. A tua boca é a única coisa que ninguém discute que é cópia da minha J. O teu cabelo é o máximo: divertido, escuro, liso, fashion, completamente original. As tuas bochechas são do mais fofo que há! Dão vontade de dar dentadinhas – de amor, claro!!! O teu queixo uma ternura, redondinhooooo. A tua barriguinha tão querida que a torna quase indescritível. As tuas pernas e os teus braços parecem desenhados, são lindos e rechonchudos. Enfim, já para não falar nas tuas mãozinhas e pezinhos. Pequeninos, doces, suaves – como toda a tua pele – cabem na palma das nossas mãos.

Todavia, o teu sorriso, além de bonito, iluminado, soalheiro, quase sempre rasgado, ternurento, doce, sincero… é também um descanso, uma enorme felicidade, um aquecer do nosso coração, um sorriso nosso arrancado de imediato. Não há nada mais poderoso para me fazer começar o dia feliz, não obstante tantas adversidades correntes, que o teu sorriso largo, assim que chego ao teu quarto e me inclino no berço para te pegar ao colo e encher de beijos de “bom dia”.

Será possível? 26052008

Será possível que, tão pequenina, quando te chamo pelo nome, olhas para mim e vês que tenho a máquina fotográfica ajeito para te fotografar, comeces a rir para a objectiva??? É mesmo! Dou por isso a toda a hora. O mérito é todo teu, muito embora estejas muitíssimo habituada a que te tire fotografias, muito mesmo….

Espertalhona! 26052008

Hoje apercebi-me que te querias “meter comigo”. Mas o que mais achei graça, foi que és muito politicamente correcta, e com apenas 5 mesinhos!

Estava a ver se te arrancava uma gargalhadinha, com umas cócegas e uns beijinhos na barriga nua, enquanto te mudava a fralda. De facto lá soltaste uma gargalhadinha. Mas depois, antes de eu dar outro beijo, já estavas a puxar pelo riso e a olhar para mim com ar encolhido, como quem diz, “dá lá outro para eu rir, mãe”, “contigo eu rio-me muito”.

Já te metes connosco e é incrível, sobretudo, como já alinhas nas brincadeiras e percebes tão bem que nos estamos a meter contigo. Desde o “esconde-esconde”, à gargalhadinha e às beijocas.

Espertalhona!

A força do amor 25052008

No outro dia vi um filme com o Sean Penn, intitulado “a força do amor”. Resumindo, o filme conta a história de um pai que, embora sem capacidades mentais suficientes, consegue “ganhar” a custódia da filha porque a ama de tal modo, que ninguém consegue dizer que ela não vai ser uma criança e mulher saudável, feliz, enfim, normal.

Chorei que me fartei. É o costume. Agora, contigo no quarto ao lado a dormir, é ainda pior. Choro não só por emoção perante estes filmes ou histórias ou notícias. Choro com um aperto no coração.

Com este filme, deitei-me a penar que, muitas vezes me passa pela cabeça, que era tão mais fácil, tão melhor, que o amor fosse o suficiente… O suficiente para assegurar que és e vais ser sempre feliz; que és e vais ser sempre saudável; que vais ser sempre linda; que és e vais ser sempre “nossa”; que vais estar sempre perto de nós… Como era bom, fácil, seguro e tranquilo que só o nosso amor fosse suficiente para te fazer feliz e segura, sempre. Posso garantir-te que serias a pessoa mais feliz e segura do universo. Fico por aqui, já choro, de novo…

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Quem sai aos seus não “é de Genebra” 24052008

Quando nasceste a corrente maioritária era que eras a cara chapada da mãe. A segunda corrente, que eras parecida com a avó M. e, depois, que tinhas parecenças com o pai.

Com 5 meses, já és muito parecida com o pai. Como ele gosta de dizer, com o tempo anda a “ganhar pontos”.

É muito engraçado ouvir “É parecidíssima com a mãe!”, como, “Ah ela é muito parecida com o pai, tal e qual!” ou ainda, “É uma bela mistura, não é?!”.

Bela mistura sim senhora! Parecida com a mãe, com o pai, e muito tu! Sobretudo, linda linda linda!

Gritos 23052008

Margarida que bela voz filha! Já sabíamos que tinhas uns óptimos pulmões, pois desde recém-nascida que lhes dás uso numas valentes birras (sobretudo, quando é hora de dormir). Confirma-se que tens, também, umas belas cordas vocais, eheh. Também no dia em fizeste 5 mesinhos, no passado dia 20, começaste a soltar uns belos gritos!

Penso que a palavra ideal para descrever os sons até será mesmo guinchos!

À primeira e à segunda fiquei de boca aberta a olhar para ti, de olhos esbugalhados, a tentar perceber se era só mais uma descoberta tua ou algum mau estar. Pelo teu ar feliz e pelas vezes que tens feito isso todos os dias, é sem dúvida uma novidade!

Decidimos não te repreender muito (não obstante sejam sonoros guinchos, altíssimos!), não vás perceber que não gostamos e usar essa artimanha sempre que achares que é boa altura :-)

Já te viras sozinha! Sem qualquer ajuda e sem entalar o braço! 22052008

No dia em que fizeste 5 meses (!) viraste-te sozinha, de barriga para baixo, mas desta vez, sem o bracinho que ficava por baixo ficar “entalado”. Ficaste tão contente que só rias! E, claro está, passaste o dia nisto! Vira e vira e vira!

Como ainda não sabes virar-te para cima, a mãe virava-te e lá ficavas toda contente por poderes voltar ao treino!

Adoras… 21052008

… que te cantem. Não é o mesmo pôr um CD a tocar, não. Nem que a música seja a mesma. Gostas mesmo que te cantem. Páras de chorar, se for o caso, pões-te a olhar séria, mas serena. As tuas canções favoritas são “os patinhos” e “as doidas das galinhas”. Provavelmente porque são as que mais te cantamos desde que nasceste. A canção das galinhas dá ideia que é mesmo a tua favorita, porque começas logo a rir.

…que te contem histórias. Se estiveres irritada, sussurramos-te a história ao ouvido e, em regra, acalmas. Quem diz história diz conversa. Neste campo, não és esquisita.

…que a mãe diga os animais (já são uns quantos), de preferência em inglês e bem entoado como que à moda do babychanel.

…que o pai te conte os números até dez, primeiro em português, depois em inglês, enquanto levanta um dedinho de cada vez das tuas mãozinhas.

… que o pai imite os barulhos dos animais.